26 março 2017

" Mentira ou verdade? " que morreu o taxista que disse que Jesus Cristo é vagabundo, sanguinário e mentiroso

Após o vídeo circular na internet algumas pessoas afirmam  que o taxista morreu pouco tempo depois em um acidente de transito.
O blog De Cara C om a Verdade foi buscar a veracidade do caso, pois bem o acidente com o jovem é falso, a imagem do acidente que mostra o taxista, foi um acidente acontecido em 2013.
   Veja a matéria verdadeira:

Duas pessoas morrem em acidente em Colorado do Oeste



O taxista Marcio Lima da Cunha, de 35 anos, e Maria dass Graça Ferreira, de 67 anos, morreram presos às ferragens.
O acidente aconteceu por volta das 13h30 desta terça-feira (10) na BR-435, próximo ao IFRO de Colorado do Oeste.
Valdecir Lopes Camilo, condutor do Fiat Strada, ia sentido Vilhena e, na subida, foi desviar de um motoqueiro e acabou colidindo com o táxi conduzido por Marcio, que vinha no sentido contrário.
O táxi estava lotado, os outros dois passageiros foram encaminhados ao Hospital Regional de Vilhena com ferimentos graves. Uma delas, Ivanete, quebrou os dois braços, a clavícula e as costelas.




Pecuaristas têm prejuízos com reflexo da 'Carne Fraca' no Maranhão

Região Tocantina tem 30% de todo o rebanho bovino do Maranhão (Foto: Reprodução/TV Mirante)
No Maranhão, os pecuaristas já sentem os reflexos da operação ‘Carne Fraca’, da Polícia Federal, que apontou fiscalização irregular em 21 frigoríficos no Brasil. O estado tem um rebanho de 7,6 milhões de cabeças de gado – sendo que 6,4 milhões de gado de corte e 1,2 milhão que abastecem o mercado leiteiro. 


As principais regiões que mantém a pecuária no estado são a oeste, envolvendo a região Tocantina, a Central e a do médio Mearim, onde os prejuízos são maiores. Em todo o estado, 80% da carne produzida são exportadas para outros estados, principalmente do Nordeste.

Só a região Tocantina tem 30% de todo o rebanho bovino do Maranhão. A queda do consumo gera prejuízos no campo que podem chegar a outros setores da economia regional, segundo pontuou Renato Pereira, presidente do Sindicato Rural de Imperatriz, MA. “É uma cadeia, onde todos os elos dela vão ser prejudicados. Os frigoríficos vão deixar de exportar. O preço para o produtor vai diminuir. É um efeito cascata, progressivo e se não for estancado logo essa sangria as consequências são imprevisíveis para a economia do nosso país”, disse.
Além dos prejuízos diretos com a pecuária, depois que a operação carne fraca foi anunciada, o Maranhão teve outras perdas. Uma grande exportação de carne, pelo Porto do Itaqui foi adiada. A carne tinha como origem, o estado do Tocantins, mas a exportação traria faturamento também para o Maranhão.
Autoridades do setor defendem que a qualidade da carne tem que ser mantida e que as investigações são necessárias, mas ressaltam que a pecuária maranhense é feita de maneira séria e seguindo os padrões exigidos. “Em vez de fazerem uma operação cirúrgica, pegar os culpados e punir, não. Se joga tudo na grande mídia, se cria um alvoroço danado, onde menos de 0,1% - são mais de cinco mil estabelecimentos frigoríficos, hoje, e apenas 21 estão sob suspeita. O Brasil é o maior exportador de carne e é lógico que a pecuária também fica afetada” afirmou Márcio Honaiser, secretário de Agricultura e Pecuária do Maranhão.
Queda contínua
Nos últimos doze meses o desemprego aumentou em todo o Brasil, inclusive no Maranhão. A primeira consequência foi a queda no consumo de alimentos. A queda no consumo de carne bovina chegou a 3% em 2016 se for comparado com o mesmo período de 2015.
Este ano também começou em baixa, segundo o ministério da agricultura. Essa sequência de quedas tem feito os pecuaristas fecharem as porteiras, na hora de pensar em investimentos.


Em 2016, o Maranhão exportou mais vinte mil cabeças de gado para o oriente médio, pelo Porto do Itaqui. Mas, neste ano, até agora, nenhuma exportação de bois vivos foi feita e nem há previsão de quando isso vai acontecer.

G1 MA

Roseana mantém indefinição e manda recado

“Se me provocarem, posso resolver ser candidata ao governo, pois sempre fui de luta e nunca temi enfrentamento político”, disse ontem, em rápida conversa, por telefone, Roseana Sarney (PMDB), referindo-se à eleição de governador em 2018. Quando fala de provocação, refere-se ao grupo comandado pelo governador Flávio Dino (PCdoB), de quem ela não citou o nome em nenhum momento da conversa.
Indagada, inicialmente, sobre como está sua disposição para disputar mais uma eleição de governador do Maranhão, Roseana respondeu sem convicção. “Estou vendo as coisas acontecerem. Por enquanto estou morando em Brasília, descansando e conversando muito, inclusive com o presidente Michel Temer, com quem já estive por duas vezes”. A senhora tem dúvida se disputa ou não o governo em 2018? Por quê?
“Olha, não sei ainda. A gente nunca sabe sobre uma situação dessas. Ainda tem muito tempo. Mas estou no aguardo dos acontecimentos. A situação está complicada em toda parte e não se pode precipitar as coisas.”
Trajetória
Roseana já disputou quatro eleições, perdeu uma em 2006, para o pedetista Jackson Lago, apoiado pelo então governador José Reinaldo, que tinha sido vice da peemedebista e se elegeu em 2002, após a titular renunciar para concorrer ao Senado. Com a cassação de Jackson, em abril de 2009, Roseana assumiu o restante do mandato, sendo reeleita em 2010, cujo mandato terminou em 2014. Ainda sobre as próximas eleições, Roseana disse: “Sinto que há muitas pessoas falando mal do governo atual, mas não é só isso, porque falavam mal também do meu quando eu era governadora. É que percebo, também, que eles estão com medo de disputar comigo. Com medo de mim”.
Três perguntas para Roseana Sarney:
O Imparcial – Quando a senhora acredita que poderá ter uma decisão?
Roseana – “Talvez lá para o segundo semestre. A minha vontade é não concorrer. Estou muito bem sem mandato e cuidando da saúde”.
O Imparcial – Vai depender mais de quê?
Roseana – Eles estão me provocando. Se continuarem a me provocar, posso entrar sim. Não tenho medo de concorrer. Boto um salto bem alto (brincando) e, quem sabe…
O Imparcial – Como a senhora está daqueles velhos problemas de saúde, que já lhe causaram inúmeras cirurgias. Estão sarados?
Roseana – Nenhum problema. A única coisa que tive recentemente foi uma pneumonia, mas pneumonia é causada pelo tempo, quando esfria muito.
Aeca Soares/O Imparcial

Morre em Imperatriz o jornalista e apresentador Conor Farias


Polêmico, o apresentador deixa um legado histórico de pioneirismo e coragem em tudo que empreendia.

Morreu na noite de ontem (25) o empresário, apresentador e bacharel em Direito, Connor Pires de Farias. Connor era proprietário da TV Capital, atualmente retransmissora do Canal 5 – Rede TV, mas também um dos pioneiros da TV em Imperatriz.

O apresentador vinha lutando pela vida já há algum tempo e tinha algumas complicações de saúde, como diabetes. Connor faleceu na noite de ontem, em São Luis, após complicações decorrentes de uma cirurgia, foi para a UTI, mas não resistiu.

O apresentador era tido como um dos mais polêmicos da TV e dividia seu horário que sempre apresentou com assuntos sobre política, principalmente. Mas Connor Pires de Farias também militou no futebol e no carnaval, sendo um dos pioneiros a fazer o carnaval de rua e o tradicional Lava-Pratos na região. 

Com uma estrutura de som invejável, ainda migrou para o aluguel de palcos e equipamentos de som para shows. Polêmico, Connor era odiado e amado entre os críticos de TV. Seu jeito simples de apresentador e até muitas vezes de forma simples, o apresentador apoiou e lançou muitos repórteres e muitos apresentadores, onde também milita uma grande fatia de simpatizantes da sua pessoa, além disso, foi o primeiro canal de TV a ceder oportunidade para apresentação de programas locais. Mas também tinha seus desafetos políticos e acumulava processos com seus principais embates na política local e Estadual, sempre se posicionando de um lado e rivalizando do outro. O apresentador deixa um patrimônio histórico, de pioneirismo e financeiro, invejáveis.


Cordino vence São José-MA e chega a final do primeiro turno do Maranhense

O Cordino é o primeiro finalista do Campeonato Maranhense. Em partida realizada na tarde deste sábado, no Estádio Leandrão, em Barra do Corda (MA), a Onça venceu o São José, por 2 a 1, e carimbou seu passaporte para a grande decisão do primeiro turno do Estadual.
Os donos da casa abriram o placar ainda no primeiro tempo com Ullisses aos 37 minutos. Com Keulson de falta, o São José chegou a empatar o jogo aos nove da etapa final, mas Ullisses voltou a marcar para a Onça aos 49 minutos do segundo tempo e decretou a classificação. Foi o oitavo gol do artilheiro do campeonato.
O Cordino irá enfrentar o Imperatriz na final do primeiro turno do Campeonato Maranhense. Por melhor campanha o Cavalo de Aço terá a vantagem de jogar a voltar em casa, além de poder empatar no placar agregado.
O jogo de ida da decisão será nesta quarta-feira, no Estádio Leandrão, às 15h45. A volta acontece no Frei Epifânio D’abadia, no próximo sábado, às 19h15.
Blog doleonilson

25 março 2017

" URGENTE " Médicos atestam que filha não matou a mãe, sua morte foi natural



Saiba a VERDADE sobre a notícia que movimentou a cidade de Presidente Dutra, onde uma filha teria matado sua própria mãe.
Diferente do que foi comentado na cidade inteira e anunciado nos principais sites da região, a filha de dona Jovita Ferreira da Silva é INOCENTE. O exame cadavérico de dona Jovita assinado por dois médicos, comprova que ela teve MORTE NATURAL, a mesma já tinha 83 anos.
Segundo informações, a filha de dona Jovita sofre de transtornos mentais, nesse caso inocentando a filha que deverá ser solta a qualquer instante.
Certamente a filha por problemas mentais saiu corendo e levou a culpa, mas já está tudo esclarecido, ela não é mais suspeita e será liberada.